quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

A galinha dos ovo$ d'€uro


[Def. €uro: ouro, oiro, lucro acima da média, válido apenas em Portugal, mas só para alguns privilegiados.]

Desta vez, falo do maior problema que os portugueses de classe média-baixa e sobretudo de classe baixa, padecem desde a adesão à moeda única europeia - o euro.


Poucos se devem lembrar da 1ª tentativa de criação de uma moeda única. Como costuma acontecer antes do lançamento oficial de uma nova moeda, são emitidas alguns exemplares comemorativos especialmente para coleccionadores, neste caso, numismatas.


E assim apareceram os "Ecus", imortalizados na música da banda portuguesa de rock "Peste & Sida" chamada "Tu Queres Ecus".


Só que este nome não agradava e, aproveitando o facto da língua portuguesa ser muito traiçoeira, soava mal.
Eis que o tema foi sendo debatido e surgiu um modelo vencedor:


Digam lá se não são umas moedas bem conseguidas e bonitas? Até têm o mapa da Europa e tudo e destacam-se pela junção das cores prateada e dourada, ambas com valores intrínsecos: estabilidade, riqueza, sucesso, qualidade...

Ui, é tão bom sonhar com estes ideais... Mas voltemos à terra e coloquemos os pés no chão! Não vos lembram nada estas 2 moedas? Lembram-se de como eram as anteriores moedas - o escudo -, que foram substituídas por estas magnificamente bonitas moedas de euro? Sim, refiro-me às moedas de 100 e 200 escudos:




E não é que são praticamente iguais! Como é que foi possível tamanha coincidência? E não é que as dimensões da moeda de 100$00 é igual à moeda de 1,00€, acontecendo o mesmo entre a moeda de 200$00 e a moeda de 2,00€?

A única diferença é a troca da ordem dos materiais (interior e exterior), correspondendo a moeda de 100$00 à moeda de 2,00€; do mesmo modo, a moeda de 200$00 corresponde à moeda de 1,00€. Eh pá, nunca tinha pensado nisto: é que 1,00€ representa precisamente 200,482 escudos! Vejam só que até ficamos a ganhar em 0,482! Fogo! Sim, senhora!

Agora avancemos para a questão das conversões, pois aqui reside o razão do nosso - os pobres - afundamento.

Antes íamos a um café e pagávamos o seguinte:

  • Café: 60$00
  • Meia de leite: 80$00
  • Refeição (diária; almoço/jantar): 500$00
Agora, com a subida do IVA, etc., etc., está tudo muito mais caro. Mas se recuarmos ao ano de transição, vejamos o que se passou a pagar pelos mesmos produtos:

  • Café: 0,50 € (cinquenta cêntimos)
  • Meia de leite: 0,75 € (setenta e cinco cêntimos)
  • Refeição (diária; almoço/jantar): 5,00 € (cinco euros)
Já reparam como foi feita a conversão? Pois é, os comerciantes fizeram as suas conversões por associação dos sons em vez dos valores reais da moeda. E assim, o real preço daqueles produtos foi:

  • Café: 100,00 $ (cem escudos)
  • Meia de leite: 150,00 $ (cento e cinquenta escudos)
  • Refeição (diária; almoço/jantar): 1.000,00 $ (mil escudos)
Feitas as contas em termos de percentagem, os aumentos para cada um daqueles produtos foram de:

  • Café: + 16,7 %
  • Meia de leite: + 187,5 %
  • Refeição (diária; almoço/jantar): + 200 %
Palavras para quê? Simplesmente incrível!

Escolhi apenas 3 produtos para dar o exemplo de como o nível de vida subiu para os portugueses, ficando os mais pobres a perder, e de que maneira, de uma forma sem precedência, pelo menos do meu conhecimento. Acho que não será necessário elencar mais nenhum produto. Basta que cada um faça as contas por si em relação aos produtos que consome e veja o porquê das dificuldades que Portugal atravessa, sendo que que os ricos passam ao lado desta desgraça financeira, apesar de alguns se mostrarem indignados com determinados cortes e chegam a ter a distinta lata de afirmar publicamente que quase não têm para fazer face às suas despesas.
Enviar um comentário