sábado, 16 de novembro de 2013

Hóquei em Patins: Benfica conquista 14.ª Taça Intercontinental

in slbenfica.pt
A formação do Sport Lisboa e Benfica, liderada por Pedro Nunes, conquistou, este sábado, a Taça Intercontinental, após golear o campeão sul americano, o SC Recife, por 10-3. A partida teve lugar em Torres Novas, servindo de palco para a consagração do pleno por parte do Benfica em competições internacionais.


Depois de, em Junho de 2013, se ter sagrado Campeão Europeu, em pleno Dragão e frente ao seu rival FC Porto, e de, há 15 dias, ter vencido a Taça Continental (Super-Taça Europeia), os objectivos orientavam-se para a conquista do único troféu que teimava em escapar ao palmarés da modalidade do clube da Luz.

Logo aos 2', Valter Neves inaugurou o marcador, servido por Carlos López (1-0). Depois, foi preciso esperar até quase ao final da primeira parte para voltar a gritar "golo", muito por culpa dos pupilos de Pedro Nunes terem-se mostrado muito perdulários da hora da finalização.

Aos 23', Carlos López sofre penalty. Encarregado da sua conversão, Diogo Rafael fez o 2-0. E no minuto seguinte, o mesmo jogador conseguiu, à segunda, empurrar a bola para o fundo das redes da baliza do Recife (3-0).

Na etapa complementar, as “águias” dilataram com naturalidade a vantagem. Primeiro, por intermédio de Carlos López (4-0), e, depois, por Mar Coy (5-0).

Apesar da superioridade benfiquista, o SC Recife não se deu por vencida, dispondo de grandes penalidades e livres-directos que poderiam, em caso de concretização, permitir chegar ao empate e relançar a partida, antes do golo de Mark Coy. Os benfiquistas bem podem agradecer ao seu guardião Guillem Trabal.

Seguiu-se uma fase em que os "encarnados" julgaram ter o jogo controlado e, a nove minutos do final, Filipe Castro aproveitou para, de uma rajada, bisar (5-2). O que obrigou Pedro Nunes a pedir um time-out. No reatar da partida, o Benfica surgiu mais agressivo e voltaria a chegar ao golo, por Carlos López (6-2). No entanto, o SC Recife voltou a reduzir, desta feita por Marimonte. Os minutos finais prometiam.

Pouco depois, João Rodrigues fez o 7-2, embalando a equipa para uma goleada. Valter Neves bisou, ao marcar o 8-3. Depois, foi a vez de Miguel Rocha fazer o 9-3. E ainda houve tempo para uma jovem promessa do hóquei em patins do Benfica se estrear a marcar e logo numa final europeia: Diogo Neves fechou as contas em 10-3.

Estava alcançado o sonho e logo com uma mão cheia de golos.
Enviar um comentário