quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Liga dos Campeões: Olympiakos - 1 | Benfica - 0

in facebook.com
Eu arriscava-me a corrigir o título desde tópico para Roberto... esqueçam, é melhor não ir por aí! Enfim, o ex-guardião das "águias" fez uma exibição de luxo, seguramente uma das melhores da sua carreira, ao defender tudo o que havia para defender, garantido a vitória do Olympiakos que ó não foi goleado porque S. Roberto esteve intransponível.


Se de uma lado houve um guarda-redes (Roberto) a fazer a diferença, do outro (Benfica) houve demasiada falta de eficácia na hora de marcar. E, de facto, o que se assistiu foi a um Benfica que parecia estar a jogar em casa no seu "inferno da Luz". Em vez disso, do outro "inferno", muito pouco se viu ou ouviu.

Com efeito, o Benfica começou com garra, ao ataque, conseguindo logo aos 5' a primeira oportunidade de golo. Depois de uma jogada de entendimento entre Rúben Amorim e Gaitán, Cardozo rematou de primeira para a defesa de Roberto. Três minutos depois, nova oportunidade, esta flagrante, com Rúben Amorim a isolar Markovic que, perante o gigante guardião, permitiu a defesa deste.

Na primeira e única oportunidade do Olympiakos, aos 12', depois da marcação de um pontapé-de-canto, Manolas aparece de rompante para fazer o golo, de cabeça, perante a passividade da defesa. Nesta caso, na área de actuação de Garay que estava a dormir. Artur Moraes ainda tocou na bola, mas pouco mais podia fazer.

E assim sem ter feito por merecer a equipa da casa colocava-se à frente no marcador.

Apesar do sucedido, o Benfica não acusou nada o golo dos gregos, voltando a partir para a frente. Aos 26’, na sequência de um canto, Luisão surgiu ao segundo poste a cabecear a bola ligeiramente ao lado da baliza.

Ao intervalo o resultada penalizava e de que maneira um Benfica numa noite em que a exibição pecava por não se traduzir em golos, apesar das oportunidades.

Logo no início da segunda parte, após um ressalto, Markovic dispõe de nova oportunidade flagrante, tentando a sorte com um remate acrobático, mas Roberto consegue defender por instinto com a perna direita.

Depois foi a vez de Sílvio que, com alguma displicência, acaba por fazer um remate fraco, para desespero de Jorge Jesus. Só dava Benfica e, pouco depois, o jovem sérvio protagoniza um verdadeiro "slalom" passando por vários jogadores a alta velocidade, deixando a bola para Enzo Pérez que remata forte, mas Roberto volta a brilhar.

Com o Olympiakos instalado no seu meio-campo, Jorge Jesus lançou Djuricic e Lima, para os lugares de Markovic e Cardozo. O jovem sérvio saiu com queixas de cãíbras, enquanto Cardozo sofreu uma lesão, ficando em dúvida para o derby com o Sporting.

E recém-entrado Djuricic teve nos pés duas grandes oportunidades de golo uma vez mais negadas por Roberto. Primeiro, ao defender um remate "à queima-roupa" e, logo a seguir, evitando um chapéu depois de alguns ressaltos.

Até ao final da partida apenas se viu o Benfica em cima do Olympiakos a tentar tudo por tudo para marcar, mas na baliza encontrou um super Roberto. De referir que durante todo o segundo tempo, Artur Moraes foi um mero espectador, não tendo efectuado uma única defesa, tal era o pendente ofensivo dos "encarnados".

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com Artur Moraes na baliza; Maxi Pereira, Luisão, Garay e Sílvio na defesa; Matic, Enzo Perez e Gaitán a meio-campo; Rúben Amorim à direita (Ivan Cavaleiro, 78’), à esquerda Markovic (Djuric, 73’); e Cardozo na frente (Lima, 70’). De referir ainda a excelente exibição de Sílvio, no regresso depois de longa ausência devido a lesão. Boa nota também para Rúben Amorim

Para a história fica o resultado negativo que deixa o apuramento para a fase seguinte da Liga dos Campeões quase impossível de alcançar. Claro que, matematicamente, ainda é possível, desde o Benfica que vença os dois jogos que faltam e o Olympiakos perca nas duas jornadas restantes.
Enviar um comentário