sexta-feira, 5 de abril de 2013

1.ª mão dos quartos-de-final da Liga Europa: Benfica - 3 | Newcastle -1.


in slbenfica.pt

A equipa de futebol do Sport Lisboa e Benfica recebeu, esta quinta-feira, o Newcastle United, na primeira-mão dos quartos-de-final da Liga Europa. O jogo terminou com a vitória do clube da Luz por 3-1.


Jorge Jesus manteve a política de rotatividade do plantel e, desta vez, fez alinhar na frente Rodrigo e Cardozo, com André Gomes ao meio campo e André Almeida a defesa direito.

Todavia, os pupilos de JJ entraram um pouco apáticos e foram mesmo surpreendidos por um Newcastle com um desenho diferente que tirou o melhor partido de um Benfica desinspirado, sobretudo no capítulo defensivo.

Não foi, pois com espanto, que assistiríamos ao Newcastle a inaugurar o marcador (0-1) logo aos 12 minutos, através de Cissé.

A formação inglesa esteve perto do 0-2, que seria impensável, quando, aos 23 minutos, Alan Pardew rematou ao poste da baliza de Artur Moraes. De referir que o remate sofre um ligeiro desvio que trai Artur, mas o guardião "encarnado" é fundamental ao dar uma palmada na bola, desviando-a para o poste.

Começavam os comentários relativamente à história das últimas eliminatória do Benfica nesta Lia Europa, em que pouco depois dos adversários rematarem aos postes da baliza de Artur, o Benfica conseguir chegar ao golo...

Dito e feito! Aos 24 minutos, após um fortíssimo remate de Cardozo, Tim Krul não consegue segurar e, Rodrigo, oportuno, a aparecer para marcar na recarga. Estava reposta a igualdade.

A partir daqui, só deu Benfica e numa sucessão de remates de André Gomes, Olah John, O jovem  médio volta a rematar, com a bola a embater no braço de um defesa dentro da rande área do Newcastle. Pediu-se penalty, mas o árbitro Antony Gautir nada assinalou.

Rodrigo (35’) e Matic (40’) estiveram perto de concretizar a reviravolta, mas Krul negou sempre o golo, conseguindo segurar o empate até ao intervalo.

A etapa complementar começou como a primeira parte, ou seja, com o Benfica a facilitar, valendo-lhe um tremendo susto, com o autor do golo da formação inglesa, Cissé, a fazer um chapéu a Artur, mas novamente a bola esbarrou no poste.

O lance serviu de estímulo ao Benfica que voltou a carregar sobre o adversário. No entanto, só após as substituições operadas pelo técnico "encarnado", com as entradas de Lima (Rodrigo, 61') e Enzo Pérez (André Gomes, 61'), é que a formação da Luz conseguiu inverter os acontecimentos.

Volvidos apenas quatro minutos, Lima, rapidíssimo, aproveitou um mau atraso de Santon para fintar Krul e colocar, pela primeira vez, o Benfica na frente do marcador (2-1), levando o estádio da Luz ao rubro.

Pouco depois (68'), Steven Taylor cortou a bola com o braço dentro da grande área e o árbitro assinalou a respectiva grande penalidade. [De referir que apenas foi assinalado o penalty graças a informação do árbitro de baliza. É caso para dizer: "Até que enfim que esses tipos serviram para alguma coisa!"].

Cardozo converteu o castigo máximo enganando Krul: guarda-redes para uma lado, bola para o outro. Só que os festejos foram interrompidos pelo árbitro francês, que ordenou a repetição do penalty. À segunda tentativa, muito frio, Oscar Tacuara Cardozo voltou a não perdoar com um remate forte e colocadíssimo. Krul bem se estirou, mas não havia nada a fazer. Estava feito o 3-1. E assim o paraguaio justificou a aposta de JJ em mantê-lo em campo até à sua substituição por Maxi Pereira (77').

Numa clara tentativa de "matar" a eliminatória, o Benfica tentou chegar ao quarto golo, mas sem sem sucesso, primeiro por Matic (80’) e, depois, por Gaitán (81’).

O triunfo por 3-1 deixa o Benfica com uma vantagem que lhe dá boas perspectivas para encarar o encontro da segunda mão no próximo dia 11 de Abril, em Inglaterra.

Enviar um comentário