segunda-feira, 29 de abril de 2013

Grandes "Gaffes" (3)

in record.xl.pt

Pinto da Costa é, sem margem para dúvidas, uma pessoa muito inteligente e com uma capacidade para ironizar e gozar com todos, incluindo os jornalistas, através de respostas sempre debaixo da língua, seja qual for o assunto.


Ainda a propósito da polémica arbitragem do último Benfica - Sporting, que terminou com a vitória do Benfica por 2-0, Pinto da Costa proferiu algumas afirmações que foram respondidas à letra pelos responsáveis pelo clube da Luz.

O presidente do FC Porto afirmou: "Vi aquilo que esperava. A vitória do Benfica e uma boa arbitragem de um árbitro com muito futuro. Já sabia que ia ser um bom jogo. O Jesualdo Ferreira é um expert. Foi como pensei, o Sporting ia dominar, mas ia perder.

Pinto da Costa afirmou ainda: Estou de acordo com o treinador do Benfica e com os comentadores do canal que passou o jogo em direto. O árbitro teve um critério largo, foi muito inteligente e não marcou falta nenhuma. É uma questão de critério. Agora, os árbitros podem pôr as leis no bolso e não as aplicar. Foi uma excelente arbitragem, este árbitro vai ter, de certeza, muito futuro."

Confrontado com o penálti que o árbitro João Capela apontou contra o FC Porto, no final da Taça da Liga, frente ao SC Braga, acrescentou: “Nessa altura, o critério do árbitro foi mais apertado. Talvez porque a ponte de Coimbra é mais estreita, ele veio de Lisboa e teve um critério apertado. É que a Ponte 25 de Abril é mais ampla, tudo é mais amplo, e por isso teve um critério largo no dérbi. Em todo o caso, repito, foi uma excelente arbitragem e este árbitro vai ter muito futuro".

E onde está a gaffe a que me refiro? Exactamente! a gaffe é que Pinto da Costa reconheceu em Jesualdo um expert, mas curiosamente deixou-o sair do FC Porto e nem sequer o foi "roubar", como o fez quando Jesualdo Ferreira tinha assinado pelo Boavista, quando André Villas-Boas o "traiu", trocando o clube "azul-e-branco" pelo Chelsea FC. Em vez disso, ficou-se pela sua "primeira escolha", Vítor Pereira.
Enviar um comentário