quarta-feira, 2 de outubro de 2013

1 de Outubro: Dia Mundial do Vegetarianismo

in universoalimentos2.blogspot.com
Comemorou-se ontem o Dia Mundial do Vegetarianismo, data instaurada em 1977 pela Sociedade Vegetariana Norte Americana. A partir daqui, a adesão a este "movimento" ou opção de vida, teve um incremento, influenciado por vezes por questões religiosas (ex.: rastafarianismo), mas sobretudo pela consciencialização da necessidade de uma vida mais saudável, aliada aos direitos do animal,


As comunidades vegetarianas apontam, em grande parte, aos problemas inerentes ao consumo de carne em relação aos benefícios de uma alimentação baseada em vegetais. Mas apontam mais outros motivos:
  • Saúde
As dietas vegetarianas, desde que bem preparadas, são saudáveis com valor nutricional adequado ao organismo humano, beneficiando das qualidades que as plantas, nomeadamente as medicinais, proporcionam em matéria da prevenção e tratamento de diversas doenças.
  • Direito dos animais
Considerando a forma industrial e "desumana" com que os animais são criados, o alerta vai para a alimentação à base de rações cheias de aditivos químicos, animais confinados a espaços reduzidos, injectados com hormonas para acelerar o seu crescimento e produção de carne e seus derivados (ex: leite, ovos), administração de antibióticos e outros medicamentos para que não adoeçam e, por fim, a forma "cruel" como são abatidos.

As denúncias constantes, nomeadamente em documentários filmados em matadouros, aliadas ao aumento dos adeptos das comunidades vegetarianas, conseguiram que em alguns casos já exista alguma preocupação em reduzir o stress dos animais. As técnicas de abate já são menos cruéis. Começam a ser utilizados alimentos orgânicos (agricultura e criação biológicas). Em alguns casos, os animais chegam a receber até tratamentos anti-stress.

Todavia, é praticamente impossível fazer vigorar tais preocupações de uma forma alargada, pois vivemos numa sociedade altamente industrializada virada para a produção de carne, de peixe (actualmente praticamente só encontramos à venda peixe de viveiros) e todos seus derivados, dos próprios vegetais, etc., como forma de saciar a demanda de uma população à escala mundial que rebenta pelas costuras" do planeta Terra. Quer se queira, quer não, vivemos numa sociedade capitalista em que o lucro e a economia vêm sempre em primeiro lugar face aos direitos dos animais.

in gazetaweb.globo.com
Outra questão prende-se com o facto dos animais não se poderem defender. E frequentemente defendem os activistas que devíamos parar para pensar no facto dos animais não poderem exprimir-se para mostrar como pensam e sofrem. Levando ao recurso campanhas-choque como a seguinte, que apela à crueldade:

in incoscientecoletivo.net
Nesta campanha-choque realizada em Espanha, levada a cabo por uma uma activista nua, simulando um prato de carne humana, podia ler-se num cartaz "Quanta crueldade você é capaz de engolir?". Mas o mesmo argumento pode ser utilizado relativamente a quem como vegetais, pois estes também são seres vivos (ou parte deles):

in arrotandopicanha.wordpress.com
  • Poluição e Ambiente
Os elevados gastos com a água na criação de animais representa um desperdício enorme quando se constata que as reservas do planeta começam a esgotar-se, agravadas pela contaminação causada pelos químicos, adubos, pesticidas, entre outros.

Consta que apenas um hectare na criação de gado produz por ano cerca de 54 kg de dióxido de carbono (CO2), gás responsável pela intensificação do efeito estufa e contribuindo, assim, para o aquecimento global.

No entanto, estes números não se comparam com as emissões para atmosfera provenientes das viaturas com que circulamos. Paralelamente, as pastagens conseguem absorver grande parte do CO2 através do processo de fotossíntese das plantas, através do qual se transforma o dióxido de carbono em oxigénio. E assim, este argumento perde força junto dos que não aderem ao vegetarianismo.
  • A Fome
Aqui torna-se incontornável o paradoxo entre a quantidade de alimento que se fornece à industria animal, suficiente para acabar com a fome mundial, em especial nos países do terceiro mundo. Estudos recentes apontam para que cerca de três quintos do consumo global de grãos (trigo, milho, etc.) destinam-se à alimentação animal.

in devaneiosdotatton.blogspot.com
Para finalizar, sem querer ofender quem seja vegetariano, eu não o sou e este cartoon, embora exagere, quase consegue transmitir como eu encaro o ser-se vegetariano. E isto tem a ver com tudo o que aprendi e como fui criado, a sociedade onde me insiro, questões culturais, etc., e, de forma nenhuma, significa que eu não me importe em "ser cruel".

No fundo, o que acho é que prevalece a lei do mais forte e mais inteligente (embora não pareça, em muitos casos, bastando ver como a humanidade tem esgotado e danificado os recursos naturais, desequilibrando a ordem natural, destruindo ecossistemas, entre outras coisas más). O homem deixou de ser recolector para passar a caçar, até aprender a cultivar e criar as suas fontes de alimento. Evoluiu e cresceu exponencialmente em termos de população, o que levou a encontrar formas de fazer face às suas necessidades.

Por outro lado a nossa natureza conduziu a outros desfechos, tais como guerras, conflitos e todos os nefastos efeitos do seu desenvolvimento.

Uma velha máxima diz que "tudo faz bem e tudo faz mal". O que equivale a afirmar que devemos comer de tudo um pouco. Não apenas carne, peixe, ou vegetais, mas sim todo o tipo de alimentos. O nosso organismo necessita de uma alimentação variada para que não sofra de carência nenhum nutriente, que, por sua vez, implicará na nossa saúde.

A consciencialização do problema dos direitos dos animais compreende-se, mas não podemos generalizar, pois tudo o que nos alimenta é ou pertence a um ser vivo, que tem o direito à vida. Não nos podemos cingir apenas a animais, racionais ou irracionais, quer sejamos crentes em Deus ou qualquer entidade superior responsável pela criação do Universo, do nosso planeta e de toda a vida, quer apenas acreditemos na ciência (racionalismo).
Fontes: centrovegetariano.org | inconscientecoletivo.net
Enviar um comentário