sábado, 27 de julho de 2013

Museu Benfica - Cosme Damião


Na inauguração institucional do Museu Benfica Cosme Damião, esta Sexta-feira (26-07-2013), o presidente do Sport Lisboa e Benfica, Luís Filipe Vieira, não escondeu o orgulho de ter realizado tão grandiosa obra:


"É impossível, depois da viagem que acabamos de fazer, não sentir o peso da história, o orgulho da obra feita, mas principalmente a admiração por aqueles que em 1904 deram início a esta fantástica aventura.

Acabamos de fazer uma viagem de 109 anos na história do Sport Lisboa e Benfica, mas também visitamos a história da cidade de Lisboa e de Portugal, porque a história do Benfica só faz sentido se for lida em conjunto com a história da cidade que assistiu ao seu nascimento e do País que sempre representou com orgulho.

Não escondo que gostaria de ver aqui pessoas que não estão. Lamento e registo essa ausência. Mas fico feliz com os que cá estão porque, com a vossa presença, reconhecem o esforço que foi necessário fazer para pôr de pé este equipamento cultural que vai servir e projectar Portugal, porque o Benfica sempre foi um Clube que, tendo nascido em Lisboa, fez de Portugal a sua bandeira e de todos os portugueses o seu destino final.

A viagem que acabamos de fazer foi realizada naquela que é, seguramente, a obra mais apaixonante desde que cheguei ao Benfica, uma obra que vai permitir a todos – sejam ou não benfiquistas, sejam de Lisboa, do Algarve ou de Bragança, sejam portugueses ou estrangeiros – que conheçam a nossa alma.

Estão aqui os alicerces do Benfica. São alicerces sólidos, porque sólidas foram as convicções dos nossos fundadores.

Este é, permitam-me que o diga, o dia certo em que devemos homenagear o esforço e a memória daqueles que sem o seu impulso não estaríamos a celebrar o Clube que hoje somos.

Sem memória, não existimos. Por isso, temos a responsabilidade de cuidar dessa memória e de cuidar do exemplo de todos quantos ao longo dos últimos 109 anos nos trouxeram até aqui.

De entre todos, permitam-me que destaque a figura e o exemplo de Cosme Damião, um dos maiores símbolos do clube, um homem que viu muito para além do seu tempo. Um homem que em 1904 ousou sonhar com o maior Clube do Mundo.

É justo que o Museu leve o seu nome. É justo recordá-lo hoje e dizer-lhe obrigado pela sua visão e pela sua acção. Mas também é justo que no seu exemplo se recordem todos os restantes fundadores.

A história deve ser uma janela para o futuro, um espaço de inspiração, um desafio para a acção. Nunca deve ser um capítulo fechado e arrumado, porque os que vieram antes de nós merecem muito mais do que isso, e os que virão depois de nós, também.

O Museu Cosme Damião deve ser um lugar de vida, de desafio, um espaço de projecção do Benfica, de Lisboa e de Portugal. Este espaço é um projecto aberto, que nunca se vai completar, por uma simples razão: o Benfica nunca será um projecto acabado.

Hoje cumpro uma promessa que fiz no passado, mas a verdade é que este Museu não resulta de qualquer promessa, resulta de uma necessidade histórica nunca antes cumprida.

O nosso ADN, os nossos valores, a nossa universalidade estão aqui. Está aqui o nosso ponto de partida, a Farmácia Franco, mas não vão encontrar aqui é o nosso ponto de chegada, porque esse estará sempre em aberto, é esse o segredo da vitalidade do Benfica.

O nosso presente é o ponto em que se cruza o futuro e o passado. Se não cuidamos do passado, o nosso presente estará – como muitas vezes esteve – ameaçado, e o nosso futuro, comprometido.

A melhor homenagem que podemos prestar à nossa história é continuá-la, com confiança, com vontade de continuar a mudar e a inovar, com vontade de querer fazer melhor. (...)

Para o Benfica, existir significa renovar-se diariamente. Ninguém vai fazer por nós aquilo que devemos ser nós a fazer. Este é o princípio que vale no Benfica.

Quero terminar esta minha intervenção dizendo apenas que a história que hoje aqui celebramos, também ela vai julgar o meu tempo e a minha acção, mas o que certamente não poderá julgar é a minha dedicação e o meu esforço.

Obrigado a todos!"
(in slbenfica.pt)

O edifício é composto por três pisos, divididos em 29 áreas temáticas, onde estão expostos os troféus conquistados nas várias modalidades do Benfica, desde a sua fundação, a 28 de Fevereiro de 1904, até aos dias de hoje.

O Museu Benfica Cosme Damião abrirá ao público a partir de Segunda-feira, 29 de Julho de 2013.
Enviar um comentário