sábado, 23 de junho de 2012

Benfica campeão nacional de Futsal 2011-2012


O 5.º jogo da final do play-off de futsal, a "negra" decisiva, foi disputada no Pavilhão Império Bonança em que se fez ouvir o "inferno da Luz", imprescindível na conquista do 6.º título de campeão nacional dos "encarnados" em 10 anos. O Benfica conseguiu reunir na mesma época, Super-Taça, Campeonato Nacional e Taça de Portugal.


O jogo não começou bem para a equipa da casa. De facto, foi o Sporting que dominou nos 10 minutos iniciais. E, como tal, chegou ao golo primeiro, por intermédio de Alex, num remate forte de fora da área (0-1).

Seria Joel Queirós, aquele goleador que passou um pouco ao lado do play-off em termos de concretização, a bisar na partida, fazendo primeiro o empate e depois a revira-volta, resultado que não sofreria alterações até ao final da primeira parte (2-1).

De referir que o Benfica terminou o primeiro tempo com 5 faltas enquanto o Sporting apenas foram assinaladas 3, de pelo menos 6 faltas claríssimas. Um dado estranho para aquela que é considerada a melhor dupla de arbitragem de futsal.

Na etapa complementar, o Benfica continuou superior ao Sporting e viu não ser assinalado um penalti claro de João Benedito sobre Joel Queirós. Minutos depois, num contrata-ataque rápido, Davi isolaria-se, mas foi travado em falta no meio campo. O Árbitro, estranhamento, marcou falta ofensiva e ainda por cima admoestou o brasileiro com o cartão amarelo. Aliás, perdi a conta às faltas claras não assinaladas ao Sporting. Quando o mesmo se passava com o Benfica, eram assinaladas de pronto.

E, com justiça, o Benfica chegaria ao 3-1 com um cabeceamento pelo "Imperador" César Paulo.

Perante a desvantagem de dois golos, o Sporting adoptou o esquema de guarda-redes avançado, um sistema que desempenha na perfeição, conseguindo reduzir para 3-2 , por Leitão, a 5 minutos de fim. Menos de 1 minuto depois, Buiu restabeleceu a igualdade (3-3), empurrando o jogo para o prolongamento.

Nos primeoiros 5 minutos do prolongamento o resultado não sofreu alteração. Nos 5 minutos finais, o Benfica conseguiu voltar à frente do marcador com um golo de Diece (4-3), a passe de César Paulo, depois de um trabalho notável que digno deste pivô, quiçá o melhor a actuar em Portugal.

O Sporting voltou ao sistema de guarda-redes avançado e, após um remate de Alex contra Joel Queirós, Davi rematou (em chapéu) para a baliza deserta, fazendo o 5-3. A massa associativa já cantava "nós só queremos Benfica campeão...", quando Buiu, a 1:46 do fim, voltou a reduzir (5-4), acertando entre Marcão e o poste.

Até ao fim, foi sofrer, sofrer, sofrer. Por fim, a recompensa chegou: o título de campeão nacional 2011-2012. Esta conquista marca também a despedida de Ricardinho, que veio a título de empréstimo de um clube do Japão.

Apesar da vitória, tenho de reconhecer a sorte que o Benfica teve, atendendo às bolas ao poste enviadas pelos jogadores do Sporting. No lance do 5.º golo do Benfica, o remate de Alex embate no braço de Joel Queirós, mas já antes um remate do próprio Joel embateu na mão de um defesa dentro da área, o que seria penalti. No computo geral, o Benfica acabou por ser a equipa mais prejudicada, mas conseguiu vencer todas essas adversidades.

Paulo Fernandes, em resposta a uma provocação na conferência de imprensa respondeu: "... Pedi um inferno e deram-me o céu!"
Enviar um comentário